top of page

Os nossos - Ernesto Herrera (1949-2024)

Atualizado: 1 de abr.

Tradução: Valério Arcary


Uma homenagem “tardia” a Ernesto Herrera, falecido em 10 de janeiro de 2024. O golpe teve que ser superado. Amigo-camarada, escrito assim, com roteiro de fraternidade, para respeitar sua trajetória pessoal.


Nascido em 22 de maio de 1949, Antonio María Núñez Guglielmi é fruto daquela emigração espanhola e italiana que se instalou no Uruguai, país que teve um desenvolvimento excepcional desde 1910 até o início dos anos 1950. Militante, escolheu como pseudônimo o nome de um escritor que, entre outras coisas, escreveu sobre a guerra civil que abalou a República Oriental do Uruguai em 1904-1905, um escritor claramente interessado no protesto social e no movimento libertário.


Na segunda metade da década de 1950, o Uruguai mergulhou numa crise socioeconómica. Neste clima de tensão social, Ernesto, como metalúrgico, tornou-se delegado sindical numa fábrica de válvulas para botijões de gás, um dos ramos remanescentes da primeira política de industrialização por substituição de importações.


Comparadas ao movimento sindical, as forças políticas de esquerda eram fracas e não tinham expressão significativa no plano político-institucional, campo ocupado por dois partidos, os Blancos - o Partido Nacional, ligado aos grandes latifundiários - e os Colorados, um partido que representava a burguesia urbana de Montevidéu. Ernesto atuou inicialmente nas fileiras do Partido Comunista, que desde 1955, sob a liderança de Rodney Arismendi, reorientava suas atividades para o movimento sindical. Esta última passou por um processo de reagrupamento e coordenação em meados da década de 1960, com a criação da Convenção Nacional dos Trabalhadores (CNT), que apresentou um programa de reivindicações imediatas, nacionalizações e reforma agrária.


Em 1973, Ernesto filiou-se ao Partido Socialista dos Trabalhadores (PST). Em frente à fábrica onde trabalhava, Benas SA, a revista mensal desta organização - que se dizia trotskista, contrária à luta armada e ao estalinismo e suas ramificações - era distribuída por um militante que se tornou um dos seus mais próximos camaradas de luta, Juan Luis Berterretche.


Devemos recordar as grandes linhas do contexto: a partir de 1967, e em particular em Maio de 1968, foram instaurados a militarização e o estado de sítio; aumento das lutas sociais; uma guerrilha urbana muito particular, os Tupamaros, tinha aumentado as suas atividades desde 1966; A Frente Ampla (FA) foi acrescentada aos dois partidos tradicionais, um amplo agrupamento de forças de centro-esquerda e de esquerda. O PST participou, juntamente com outras forças deste espectro, na criação da Frente Ampla em 1971. Diante deste desafio, a classe dominante contou com o exército para restaurar a ordem e declarou uma “guerra interna” (a partir de abril de 1972). contra as guerrilhas e as classes trabalhadoras, a fim de destruir o que restou das conquistas sociais históricas. Isto foi seguido pelo golpe de estado de junho de 1973.


Ernesto Herrera analisou diversas vezes o golpe, a resistência e seus limites. A “recuperação da memória”, 50 anos depois, revela a conjugação da sua experiência militante e da cultura política e histórica que a sustentou.


A ditadura durou até 1985. De 1973 a 1975, Ernesto desempenhou um papel decisivo na manutenção de estruturas organizacionais clandestinas, antes de a repressão se tornar ainda mais brutal, uma repressão que, no entanto, não conseguiu converter a maioria da população em informantes. Para os membros do PST, a atividade clandestina continuou, embora em escala muito menor, com prisões, encarceramento em quartéis e depois em prisões - uma para homens chamada Libertad, outra para mulheres em Punta Rieles, onde Marita, companheira de Ernesto, foi eleita porta-voz do a resistência interna - e a manutenção do apoio às famílias dos detidos.


O exílio político forçado contribuiu para uma internacionalização do compromisso sociopolítico. Em 1982, a repressão atingiu duramente o que restava do núcleo militante do PST. Juntamente com outros membros, Ernesto exilou-se no Brasil, onde assistiu aos primeiros desenvolvimentos do Partido dos Trabalhadores (PT) e estabeleceu laços estreitos com militantes da Democracia Socialista, corrente do PT. Estes prestaram ajuda aos exilados “não declarados” do PST uruguaio. Em 1983, Ernesto retornou clandestinamente ao Uruguai para participar da mobilização contra a ditadura e da reorganização do PST, bem como dos debates políticos que marcaram a nova fase de consolidação da Frente Ampla (FA). Iniciou-se um processo complexo marcado pelos seguintes pontos: crescimento eleitoral da FA a partir de 1989, embora os governos de coalizão entre o Partido Colorado e o Partido Branco tenham permanecido vitoriosos até 2005; Os Tupamaros (Movimento de Libertação Nacional-MLN) passaram a fazer parte da FA em 1989; Algumas forças de esquerda uniram-se dentro da FA sob o nome de MPP (Movimento de Participação Popular). A trajetória do MPP, por sua vez, tornou-se centro de debates políticos num contexto internacional marcado pela globalização neoliberal, pela desintegração da URSS e dos seus satélites, pelas questões sobre o “modelo cubano”, etc. Ernesto integrou a direção do MPP, que reunia o PST, o MLN, o MRO-Movimento Revolucionário Oriental, o PVP-Partido para a Vitória do Povo e activistas independentes. Longe do sectarismo, ele já antecipava, deste período, as linhas de força que iriam abalar a sociedade e, nesse processo, também as forças que reivindicavam o socialismo revolucionário; ao mesmo tempo que baseia as suas convicções num exame aprofundado da acentuação das múltiplas formas de exploração e opressão.


Na virada do milênio, Ernesto pôde perceber as mudanças no desenvolvimento e nos objetivos da FA. Em 2005, a FA ganhou “poder” governamental. Dentro da coligação prevaleceu a componente que emergiu do MLN, o que, para alguns observadores informados, confirmou a fórmula “das armas às urnas”.


Ernesto Herrera citou Carlos Real de Azúa em seu livro Política, Poder e Partidos no Uruguai de Hoje (1971) para entender o que representava a FA inicial. Carlos Real de Azúa descreveu o nascimento da FA em 1971 como a criação de "uma verdadeira contra-sociedade" alimentada por assembleias (comités) de base, mobilização social, radicalização política e uma prática colectiva de "ruptura" não só com os dois - sistema partidário dos brancos e mestiços, mas também com o sistema socioeconómico nas mãos das classes proprietárias (financeiras, industriais e agrárias) e das organizações imperialistas. À luz desta descrição, Ernesto sublinhou que não houve uma simples transição da “luta armada” para a “rota eleitoral”, mas sim uma ruptura com o programa histórico da Frente - que era uma extensão daquele da CNT - que levou ao "reformismo sem reforma" durante o curso das experiências governamentais.


Para Ernesto Herrera, a apreensão destas mudanças e rupturas revalorizou ainda mais o necessário conhecimento histórico e o acompanhamento meticuloso dos acontecimentos actuais, exigências entendidas como pré-requisito para o desenvolvimento de um "o que fazer" socialista revolucionário, ao mesmo tempo que "geriu" a incerteza que distanciou ele do "otimismo vulgar".


De 1985 a 2003, Ernesto Herrera foi responsável pelo trabalho de “coordenação” na América Latina com o objetivo de fornecer informações aos órgãos da Quarta Internacional (Secretariado Unificado). Fê-lo com base na sua experiência militante e na sua compreensão do contexto político em mudança deste “pequeno” país sul-americano. Soma-se a isso o seu internacionalismo militante, ligado entre outras coisas ao exílio político, que aguçou a sua capacidade de comparação, para melhor identificar o específico e o geral nas diferentes formações sociais. O ano de 2003 marcou a chegada do governo Lula ao “poder” no Brasil e a participação de membros da Democracia Socialista nesse governo. À luz do que Ernesto assimilou com os militantes brasileiros e de sua experiência no Uruguai, ele não pôde deixar de expressar suas dúvidas extremas, na verdade, seu desacordo com essa subordinação dos líderes do DS aos imperativos da máquina do governo Lula. As esperanças despertadas pela dinâmica aberta pelo governo Lula entre os membros do círculo dirigente da Quarta Internacional tornaram inapropriado, em sua opinião, que Ernesto Herrera assumisse a responsabilidade pela "coordenação". Este último não tinha, no entanto, um carácter decisório, mas era essencialmente um meio de manutenção de laços e de estabelecimento de contactos.


Com o apoio daqueles que tiveram a oportunidade de compartilhar, em parte, o acúmulo de experiências e conhecimentos que Ernesto Herrera encarnou, ele pôde continuar sua atividade militante no Uruguai, manter laços militantes na América do Sul e trocar ideias com camaradas de vários países europeus. Esta rede criou as condições para o lançamento da newsletter Correspondência de Imprensa e, posteriormente, do site com o mesmo nome. Da mesma forma que, como “militante de longa data”, Ernesto foi fonte de recursos ao longo dos anos para a atividade dos socialistas revolucionários da América do Sul, o boletim informativo e o site ampliaram e ampliaram a disponibilidade deste apoio. Existem algumas homenagens que transformam ativistas falecidos em figuras maiores do que eram em vida. Ernesto Herrera, certamente, não os teria querido assim, o que me atrevo a assumir com base nos meus 40 anos de amizade militante. Espero ter evitado essa armadilha.


A publicação póstuma – em francês e espanhol – de uma obra dedicada à história dos Tupamaros e à atual vida sociopolítica do Uruguai e de seus habitantes contribuirá para transformar um passado reflexivo em um instrumento para o presente.

21 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page